share on:

A vida é feita de ações e decisões que nos proporcionam experiências marcantes que ficam eternizadas na nossa memória. E quando sentimos saudade daquele momento, relembramos o que se viveu na tentativa de resgatar a emoção sentida. Talvez, por isso, digam por aí que recordar é viver.

Recordar faz parte da vida. Quando tiramos tempo para remexer em nosso baú de recordações estamos visitando nossa própria história. Nossas experiências e reações passadas são responsáveis por quem nos tornamos. Como é gostoso lembrar de momentos que mudaram nossa maneira de pensar e de enxergar o mundo. Claro que não devemos ficar presas no passado, mas ele tem um papel importante no nosso presente. O passado nos presenteia com grandes lições.

Trazer a memória o que nos dá esperança é sempre uma boa ideia e foi isso o que o salmista fez no salmo 78 ao dizer: “Em parábolas abrirei a minha boca, proferirei enigmas do passado; o que ouvimos e aprendemos, os que nos contaram nossos pais não os esconderemos aos nossos filhos; contaremos à próxima geração os louváveis feitos do Senhor, o seu poder e as maravilhas que fez…então eles porão a confiança em Deus; não esquecerão seus feitos e obedecerão aos seus mandamentos.”  Acho lindo que o salmista olhou para o passado e recordou os feitos do Senhor, o seu poder e suas maravilhas. Lembranças maravilhosas e preciosas que fortalecem nosso coração. Como é incrível lembrar que atravessamos tempestades terríveis, mas o Senhor da história veio ao nosso socorro. Essa memória nos fortalece e anima. E quando contamos para os nossos filhos, amigos, sobrinhos, enfim para a próxima geração, eles também são enriquecidos ao ouvir que Deus é o mesmo, ontem, hoje e sempre, e que ele é um Deus vivo que age a favor de quem nele espera.

Quando Moisés tirou o povo do Egito, eles enfrentaram uma situação que aos olhos humanos parecia não ter saída. Eles precisavam fugir e se depararam com um mar. Mas Deus fez o improvável e abriu o mar vermelho. Nós também enfrentamos situações aparentemente sem solução e são nesses momentos que essas memórias se tornam ainda mais preciosas. Nem sempre o mar vai se abrir, mas certamente, o Senhor nos mostrará uma saída.  E como sabemos disso? Porque o Deus do impossível é o nosso Deus. O mesmo ontem, hoje e pra sempre.


Então querida, ao olhar para o passado, recorde o que te dá esperança, mas deixe pra trás tudo que te impede de construir sua história hoje.

No amor do Senhor,

Susie Pek – Coordenadora do Mulheres de Esperança RTM – Brasil & América Latina