share on:

Img_IconeBaixar_680px

 

19 de maio de 2017

Leitura Bíblica: Filipenses 2.3-11

O orgulho vem antes da destruição; o espírito altivo, antes da queda (Pv 16.18).

Um sapo tinha um grande problema. Sua lagoa estava secando. Se ele não encontrasse água rápido, ele mesmo iria secar também. Aí ouviu falar de um riacho que ficava logo depois da montanha mais próxima. Se pelo menos pudesse viver lá… mas como poderia? As pernas curtas de um sapo não foram feitas para longas jornadas. Mas então teve uma ideia. Convencendo dois pássaros a carregarem, cada um, a ponta de um graveto, ele mordeu o centro do graveto e se segurou. Enquanto eles voavam em direção à água, sua mandíbula segurava firme. Em terra, uma vaca que estava em um pasto viu aquela cena inusitada. Impressionada, ela pensou alto: “Quem foi que teve essa ideia?” O sapo ouviu a pergunta e não pôde resistir a responder: “Eu tiiiiii…”

Estamos propensos a cometer o mesmo erro do sapo. Muitas vezes temos uma preocupação tão grande em mostrar o quanto somos importantes que assumimos uma postura de superioridade. Queremos mostrar como temos ideias maravilhosas e soluções para os problemas, e assim pecamos agindo de forma orgulhosa. O alerta vem de Provérbios 16 e diz que agir com orgulho é caminho para a destruição. Deixar-se tomar pela vaidade é como calçar um salto tão alto que nos levará a cair. É um grande perigo, um grande mal, um pecado (Pv 21.4).

A Bíblia ensina a não fazer nada por orgulho ou vaidade. Ninguém deve se considerar superior a outra pessoa. Nossas atitudes não devem visar apenas o interesse próprio, mas também refletir uma preocupação com o próximo. Para viver de forma humilde precisamos tomar como exemplo a vida de Cristo, que mesmo sendo Deus viveu a vida comum de um ser humano. Ele foi humilde até a morte na cruz.

Quem anda em vaidade caminha para o abismo. Quem anda em humildade, no tempo certo será recompensado. Jesus foi elevado à mais alta posição. Os humildes de espírito herdarão o reino dos céus. – HSG

Um ato soberbo é a maior demonstração de insignificância.